©L. Chevalier/CRT Centre Val de Loire - CASTELO DE LANGEAIS ©L. Chevalier/CRT Centre Val de Loire - CASTELO DE LANGEAIS ©P. Forget/CRT Centre Val de Loire - CASTELO DE LANGEAIS ©J. Percher/CRT Centre Val de Loire - CASTELO DE LANGEAIS ©J.M. Laugery - CASTELO DE LANGEAIS ©C. Lazi/CRT Centre Val de Loire - CASTELO DE LANGEAIS
CASTELO DE LANGEAIS
CASTELO DE LANGEAIS
CASTELO DE LANGEAIS
CASTELO DE LANGEAIS
CASTELO DE LANGEAIS
CASTELO DE LANGEAIS
CASTELO DE LANGEAIS
CASTELO DE LANGEAIS
CASTELO DE LANGEAIS
CASTELO DE LANGEAIS

Dois castelos, duas proezas arquitetônicas

Sobre um penhasco que domina o rio Loire, o primeiro castelo foi edificado a partir de 994 pelo poderoso e temido conde de Anjou Foulques Nerra.
Sua torre é hoje uma das mais antigas da França, e vestígios significativos, como os de seu donjon, estão revestidos por uma reconstituição de estrutura medieval.
Essa reconstituição, além das máquinas de elevação, transportam os visitantes ao tempo dos construtores do ano 1000.

Do outro lado do pátio fica o segundo castelo real, edificado por ordem de Luís XI no fim do século XV (1465).
Luís XI sonhava com um edifício que, do alto de suas torres e de seu caminho de ronda, permitisse controlar a margem direita do rio Loire.
Sua fachada majestosa era, assim, dotada de um caminho de ronda, de torres e de uma ponte levadiça do lado da cidade.
No pátio interior, as fachadas decoradas revelam uma residência refinada e bastante agradável, que anunciam todas as sutilezas do Renascimento.

Um casamento histórico

Foi dentro do castelo que, no dia 6 de dezembro de 1491, foram decididos os destinos da França e da Bretanha pelo casamento de Carlos VIII com a duquesa Ana de Bretanha. Esse casamento marcou a anexação do ducado à coroa da França, selando o fim de sua independência.
Um atraente espetáculo de realismo faz o visitante mergulhar no coração desse evento maior da história da França.

Na residência, as diversas tapeçarias, móveis e objetos de arte de época evocam maravilhosamente a refinada arte de viver no final da Idade Média: quinze salas são ricamente mobiliadas e decoradas graças à magnífica coleção constituída por Jacques Siegfried no final do século XIX.

Para saber mais >>